Estudos

BRASIL MULTIRRACIAL

By 06/04/2020 No Comments

Brasil Multirracial

A partir da promulgação do Estatuto da Igualdade Racial somos compelidos a fazer alguns comentários, correlacionados ao tema em destaque: a Questão Racial no Brasil. É o assunto do presente ensaio, que pode ser seguido de outros. Seguimos rumo, em contraponto, denunciando riscos prováveis, a serem  prevenidos, para o bem da nossa nação plural e unitária e para que esta Lei não seja a nova ânfora de Pandora.

1. Unidade na Diversidade
O Brasil, como povo e como nação, é uma das obras primas mais belas da civilização humana. Tem alguns defeitos  (qual não tem?!) e muitas virtudes, que garantem sua grandeza. Respeitêmo-lo como ele é.
Este é o país que conseguiu fazer a grande síntese da humanidade. Aqui coabitam todas as raças e povos, em convivência cordial.
            O Brasil é um País que consagrou a convivência pacífica da diversidade.
Pero Vaz de Caminha, em 1500, já registra o fantástico congraçamento de brancos e indígenas, na chegada de Cabral. Espelhou o tradicional olhar do português sobre o mundo.
Ninguém tem direito de desafinar mais esta orquestra. Procuremos, antes melhorar a sua afinação. Ela é genial.
Este é o país plural por natureza: um país miscigenado, em termos genéticos e culturais.
Brancos, negros, morenos, vermelhos, amarelos, aqui convivem sem perseguição e com relativo respeito à dignidade de cada um. Este é um povo cordial.
Cordial?! Cordial, sim, mas não perfeito. Rusgas entre uns e outros sempre haverá.  Tanto entre “raças” como entre irmãos.
Não é problema racial, é apenas fraqueza, cobiça ou farisaísmo da própria condição humana.
O Brasil é um país multirracial, um país plural. Todo o mundo sabe disso. Só alguns brasileiros não querem ver. Por ignorância, por desinformação ou por mal-querença, alguns querem retorcer e mudar os rumos da história do País.
Muitos não vêm esta realidade, positiva, que nos enleva, porque querem transplantar para cá os paradigmas dos EUA. Mas tal atitude não é adequada; São realidades muito diferentes que não prosperam. Mas incomodam muita gente. Tumultuam.
Muitos não conseguem entender a complexidade do modelo social brasileiro. Querem adotar aqui o modelo de análise da realidade americana. Impossível. Só pode gerar conflitos. As duas realidades, são incompatíveis. São também incompatíveis os modelos de análise.
Nos EUA, opõem-se brancos e negros. No Brasil, a realidade é outra. Temos uma  terceira categoria social, o mulato/moreno que é o elo de ligação nacional, originado, do relacionamento do branco com o negro. O mulato (branco+negro) é marca nacional.
Conseguimos construir um país unido e solidário. Quem agora está querendo dividi-lo? Parece que há sempre um Judas à espreita. Se nos descuidarmos, ele leva vantagem. Vamos reagir! Vamos recuperar o Brasil brasileiro e não deixar americanizá-lo…
Há muita visão equivocada. Vamos pensar juntos. Há, no Brasil e em outros países uma grande máquina de intimidação, de ameaça bem montada, mas é preciso reagir para não amordaçar a sociedade livre.
Não deixemos silenciar a “Aquarela do Brasil” (de Ary Barroso). Não deixemos o mundo urbano matar de vez o Brasil genuíno, original, que muito bem pode ser preservado. É este o Brasil que encanta o mundo. É esta a nossa grande mensagem de Paz!
2. Mandela no País Multirracial
Nélson Mandela, ao visitar o Brasil, após o fim do apartheid, saudou o Brasil, com orgulho, como país multirracial, onde brancos, negros e morenos convivem em paz e harmonia. Enfim, os ideais que ele queria ver implantado na África do Sul.
As ONGs berraram, farisaica e fascisticamente, porque Mandela prejudicava a sua atuação. Tirou-lhes a máscara e a razão.
Saiu em campo a “lei da mordaça” e a afirmação de Mandela foi banida, talvez em nome do “politicamente correto”. Pigmeus quiseram dar lições a um gigante.
O rolo compressor é terrível e massacrante… É sádico e perseguidor inveterado.
 Sim, muitas ONGs vivem da desavença. Até a criam quando não a acham. Mas a desavença sempre existirá entre as pessoas. Por inveja, por ódio, por ignorância, por totalitarismos fascistas e até por motivo de complexo e discriminação racial. Mas estas são mazelas da insensatez humana. A civilização trabalha para banir tão constrangedora mazela da sociedade, com sinceridade e lealdade à humanidade.
Não deixemos destampar a ânfora de Pandora. O Bem e o Mal coexistem sim. Alguns querem levantar a tampa da ânfora, para fazer sair os males, que estão na superfície, e tampar de novo para que os bens fiquem prisioneiros e a sociedade vire um pandemônio. Assim poderão infernizar a vida de muita gente dedicada e decente. Puro sadismo?!
3. Brasil, um País Multirracial
O Brasil, como tal, é um país cordial. Isto não significa ser morno, como muitos interpretam; morno ou frouxo. Isto ele não é. Mas é cordial e isto o honra, por mais que a onda “politicamente correta” o empurre para a agressão grosseira… que vão se tornando moda de bom tom (?!). Ser cordial, para alguns, não é marca de prestígio… São os cegos preconceituosos…
Nas escolas lhes ensinam preocupantes lições: que sejam arrogantes, abusados, vilões; que levem sempre vantagem, em qualquer situação.
Inimigos sempre os tereis por perto, diria alguém.
E Vieira retrucaria: “É melhor ter inimigo do que não os ter”. É sinal de que você tem algo mais, que o outro inveja. O Povo brasileiro é um povo vivo, ativo e sagaz.
Os judeus e árabes, em Israel e na Palestina, digladiam-se por disputas de territórios. Aqui convivem lado a lado, pacífica e amistosamente. Aqui vivem em paz, com o respeito a que têm direito todos os seres humanos.
4. Sementes da Discórdia
No Brasil, até dois anos atrás, nas salas de aula, ao menos em todas as escola públicas, havia um número determinado de alunos. Ninguém sabia quantos brancos, quantos negros e quantos morenos (mulatos). Jamais houve esta distinção, essa estatística. Eram apenas gente, alunos. Não havia, nem se imaginava, a distinção pela cor da pele. Apenas se distinguiam, eventualmente, por sexo: masculino/feminino. Não havia discriminação.
Todos conviviam natural e espontaneamente. O sistema cooperava.
A divisão só veio no governo atual, por obra e graça das ONGs que faturam no conflito e ameaçam com a “mordaça” a quem quer liberdade para pensar e seguir, por caminhos de ares menos poluídos, pela intransigência míope.
Neste governo, as ONGs da área, conseguiram até uma Secretaria/Ministério própria.
Para o Estatuto da “Igualdade” Racial, o brasileiro é antes branco ou negro e só depois é brasileiro. Para rechear suas estatísticas, agregaram aos negros, os morenos/mulatos, descartando-os com categoria. Ocultando-os, como se isto fosse possível!!
No entanto, os morenos/mulatos, não são negros. São uma categoria especial, com muita honra. Têm sangue branco e sangue negro. Podem então ser brancos ou negros, ou de preferência são morenos, como queria Darcy Ribeiro. No moreno temos a síntese da gente brasileira.
Os morenos  querem ser respeitados como morenos. São mulatos, isto é, são mestiços e formam uma comunidade respeitável na sociedade brasileira.
5. O Mulato em Destaque
Os mulatos/morenos/pardos são um alto contingente dos brasileiros. Aproximadamente 43,2% dos brasileiros são pardos/ mulatos/ morenos, segundo o IBGE. Ainda não há uma designação fixa. Eu prefiro “moreno”.
Não estou adotando o termo mulato, porque alguns o consideram, artificial e tendenciosamente, como depreciativo.  Lançaram descrédito preconceituoso sobre o nome mulato. Mas não é nome depreciativo. São interpretações falsas, tendenciosas e preconceituosas. Devem ser superadas e revertidas.
Acho, aliás, que poderia ser retomado o termo mulato, com todo o vigor e orgulho, vencendo preconceitos detestáveis, que ocorrem hoje, desonrando o País. Não esqueçamos que as nossas mulatas são padrão de beleza escultural internacional.
Se mestiço não sugere preconceito, por que o nome mulato é mal visto? Quem o quer denegrir? Vamos  iluminá-lo com a verdade sócio-cultural. Vamos recuperar-lhe a positividade.
Em termos lingüísticos, pela etimologia, a nossa palavra “mulato” vem da língua árabe e quer dizer, simplesmente, “mestiço”, isto é: filho de árabe com não árabe. A palavra “mulato” vem da palavra árabe “muwallad”. Wallad quer dizer: procriar.
Lembremos que os árabes estiveram em Portugal, por 400 anos.
A Língua Portuguesa tem muitas palavras de origem árabe. Mulato é uma delas.
No Dicionário Latim-Português, de Hieronymo Cardoso, publicado em Lisboa, em 1569, a palavra “mulato” significa mestiço. Assim ficamos sabendo que, em Portugal, no século XVI, já havia mulatos, que eram os portugueses mestiços de árabe com lusitanos, por exemplo. Então não é uma palavra ofensiva. Por que seria?
Culturalmente, somos todos mulatos, pois nossa cultura é mestiça. Somos o Brasil Moreno.
A palavra mula, aplicada ao animal híbrido, tem a mesma origem, com o significado de “mestiço”.
O nome “mulato” não tem nada a ver com o animal muar. Apenas o nome dos dois tem origem no conceito de mestiço, como origem genética, sem interferência biológica ou de status social.
Há algum tempo ouvi um estudante, na Faculdade, dizer que não é mulato, porque a mãe dele não é mula. Veja o que faz a informação preconceituosa. Ao lhe informar eu que a palavra mulato quer apenas dizer que ele é mestiço, ele se alegrou, e se sentiu enganado, dizendo que então gostava de ser mulato, porque de fato é mestiço. Achou então a palavra bonita e verdadeira. Jamais ofensiva como alguém lhe anunciara. Estes preconceitos, forjados  e ofensivos, são criminosos. É preciso desmascará-los.
Hoje, mulato significa, etimologicamente apenas: mestiço = filho de branco com pessoa de cor negra. No nosso caso designa: Português + Negro = Mestiço=Mulato=Moreno.
O Brasil é um país moreno. Assim é o nosso povo. Um povo belo e honrado.
Assim é e assim será. É o nosso DNA.
6. O Estatuto Une ou Divide?!
Estão impondo ao país, goela abaixo, o Estatuto da Igualdade Racial, de intenções um tanto quanto inconfessáveis.
Quanto ao projeto do Estatuto foi divulgado, em 2007/2008, causou profunda celeuma.
A antiga Ministra/Secretária da Igualdade Racial deixou clara as intenções perversas do Estatuto, ao tentar impô-lo “na marra”.
A Imprensa nacional degladiou-se, denunciando o caráter nada democrático do Estatuto. A polêmica nacional marcou o momento, que chegou a ser constrangedor, mas muito esclarecedor.
Desmascarou o tal Estatuto.
Igualdade entre todas as pessoas, sem discriminação, é o que todos querem, mas não novas artimanhas para jogar uns contra os outros, para dar mais poder de manobra a alguém.
O verdadeiro Estatuto da Igualdade é a Declaração Universal dos Direitos da Pessoa Humana, proclamado pelo ONU.
A Constituição do Brasil, de 1988, é eloquente neste campo da igualdade social, que inclui a igualdade racial.
Finalmente, no início deste mês de julho (2010) o Estatuto, com profundas alterações, foi aprovado no Congresso Nacional, e promulgado pelo Presidente, no dia 20/07/2010. Algumas afrontas à razão humana e à igualdade entre as pessoas forma sanadas, mas o cerne permaneceu. O cerne insensato da divisão do povo brasileiro, golpeando sua característica essencial de um povo uno e diverso, um povo plural, foi mantido.
A Constituição exige tratamento a todos, por igual,  a cada um conforme a necessidade, sem paternalismo e sem discriminação de raça, sexo ou condição social, sempre como promoção humana. Isto é igualdade de direitos e de deveres.
Assim, todos os excluídos, socialmente, deveriam ter alguma proteção, quer sejam negros, brancos, amarelos ou vermelhos. Todos, sem discriminação, precisam ser beneficiados por medidas positivas, através de políticas públicas adequadas. Todos precisam ter sua oportunidade, sem castramentos, legais ou não.
Quisera eu que estivessem enganados todos quantos tiveram coragem de levantar sua voz contra  este desserviço à nação, de leis extravagantes.
7. Lei Implanta a Discórdia
Trocam a unidade e a paz do país por dividendos políticos, oportunistas, ante uma imprensa aturdida e babaca, sem aptidão crítica, subserviente…
Ao assinar este Estatuto, o atual governo compactuou com uma lei complementar que muitos consideram um crime de lesa-pátria. A conferir. Representa um simulacro de Apartheid racial americanizado, às avessas.
Estará dividindo o país entre povos, raças e etnias, ferindo gravemente e talvez irreversivelmente sua unidade multirracial, que era sua grande marca, seu maior motivo de orgulho.
A obra genial da fraternidade multirracial foi agredida. O coração do Brasil foi golpeado.
No novo Estatuto não teremos mais um povo de brasileiros e brasileiras, mas um povo de brancos, negros, afrodescendentes e eurodescendentes, etc. Desaparece o moreno/mulato, que era nossa marca registrada. Esquecem-no ou desconhecem-no como se fosse algo indigno e descartável. Sai da Estatística. Isto é que é indigno!
Entretanto, o mulato/moreno, tem tanto direito ao reconhecimento de sua especificidade racial, como o branco e como o negro. É questão de legitimidade. Falsificar a realidade é falsidade ideológica. Quem quer ser enganado?! Quem se cala?!
É uma condição humana, tão normal e tão genuína, ser descendente de branco+branca, ou negro+negra, ou branco+negra. Geneticamente até há alguns ganhos… Todos sabemos disso.
O mulato/moreno não tem porque envergonhar-se da própria genética. Deve antes se orgulhar. Quem quer enganar o povo? O Brasil orgulha-se de ser um povo mulato, miscigenado e mestiço.
Quem entende a história e a questão da interação humana sabe disto muito bem. O conhecimento está disponível para quem o procura; não tem trancas.
Agora, uns lutarão contra os outros, não pelos direitos iguais de todos, como cidadãos, mas cada um querendo tirar vantagem. Querem implantar a discórdia?! O Estatuto abona atos anti-sociais?!
O Estatuto lembra-me o bolo de aniversário de São Paulo: dada a largada, as pessoas se lançavam sobre o bolo, desorganizadamente e ambicionando pegar o mais que pudessem, numa sofreguidão deprimente. Jogavam ao chão uma boa parte. Quem chegasse alguns minutos depois já não teria nada para levar para os seus. O desperdício é de lastimar.
Mais uma vez vence a lei de Gérson:
Tirar vantagem em tudo”, contra quem quer que seja, e por tabela, contra si mesmo.
Só um Congresso débil, fraco, mambembe e subjugado, para cair nesta esparrela, destruindo o que promete.
Este é o país que o governo quer criar?! Que futuro queremos?!
Os ódios intergrupais, estimulados pelo nonsenso poderão jogar grupos contra grupos, em disputas armadas, fazendo jorrar mais sangue de inocentes. Alguém está apostando nesta opção?!
Não creio que alguém queira isto. Por que não se faz uma campanha cerrada, exigindo educação de qualidade para todos e postos de trabalho para todos viverem com dignidade do próprio trabalho e não da esmola que humilha e subjuga.
8. Fraternidade Ameaçada
É preciso acautelar-se dos semeadores da cizânia. Não deixe destruir o seu belo país.
O fatídico Estatuto pode ameaçar a fraternidade multirracial do Brasil.
Todos queremos, sim, um país igualitário. Mas não é por meio de leis, como esta, que alcançaremos mais justiça e equidade neste país fantástico, mas amordaçado por alguns manipulados e fracos sob o comando de forças iníquas e escusas.
Queremos todo o povo unido contra a desigualdade social, contra todas as injustiças, contra toda a discriminação, contra o racismo e contra o farisaísmo.
Sem dúvida esta lei poderá ter efeito danoso, contrário. Produz a cisão iníqua, no meio do povo. Em vez de abolir as divisões entre raças/etnias, aumentará a divisão.
O povo brasileiro repudia tal divisão. Esta lei é efetivamente iníqua e deve ser repudiada, em nome do ideal igualitário do povo brasileiro, que dizem querer implantar.
Fiquemos alerta para que esta previsão não prospere e para que o Estatuto, pela oposição que se lhe faz, se mude na prática num benefício efetivo a unidade multirracial do povo brasileiro. Que todos se mantenham solidários e fraternais, sem fronteiras raciais.
9. Dignidade sem Fronteiras
            Muitos podem não concordar com algumas das afirmações desta crônica. Todos têm direito de discordar, dando as suas razões, com lealdade. Este é o modo como encaro esta questão, muito séria, no âmbito das razões que expus.
Defendo a democracia multirracial e plural, com liberdade, igualdade e fraternidade, sem a “lei da mordaça” que alguns tentam impor a quem deles discorda.
O foco de tudo é a dignidade humana, sem fronteiras. Deste limite não deveríamos passar. Esta é a garantia das liberdades, com justiça, que tanto prezamos.
Devemos consultar sempre a Declaração Universal dos Direitos da Pessoa Humana”, da ONU, que não exclui ninguém.
Amigos,
Para degustar, poética e artisticamente o cerne das ideias que aqui debato, recomendo que ouçam as gravações cujo link vai a seguir.
Basta clicar.
Leia mais, Dar é Humilhar (clique)
 DAR É HUMILHAR
                   ENSINAR É LIBERTAR
                                    “Ganharás o pão
                                   com o suor de teu rosto”
                                         (Gêneses)
                   1
         NÃO FAÇA NADA  POR NINGUÉM
          Não faça nada por ninguém
          que isso humilha o cidadão,
          se é humano e capaz.
          É paternalismo furado.
          Acomoda mas incomoda.
          Dar o peixe
          é perpetuar  o pedinte.
          Ensinar a pescar
          é libertar.
          Ajude a obter o anzol
          e a programar a pesca,
          e terá  um homem capaz,
          auto-suficiente e feliz.
          Ensine cada um
a encontrar as próprias soluções,
          a definir o próprio rumo,
          a ser mais que um objeto de consumo,
          a ser um homem, não um cogumelo.
          Dê educação,
          ensine uma profissão.
          E o homem terá aptidão,
          e construirá a cidade
          com coragem e tenacidade.
          Construirá seu teto
          formará seu lar
          ganhará seu pão.
          Será um cidadão.
          Orgulhoso da vida,
          terá sua profissão,
          como um galardão.
          Dar o peixe é perpetuar  o pedinte.
          Ensinar a pescar é libertar.
                 2
             FAÇA TUDO
          Fazer pelo outro
          o que ele é capaz de fazer
          é dominá-lo, amordaçá-lo,
          anulá-lo, escravizá-lo,
          subservientá-lo, oprimi-lo…
          É fazer nada !
          Nada que possa ajudá-lo.
          É maltratá-lo.
          Mostrar-lhe o caminho
          apontar-lhe a luz,
          despertar sua vontade de vencer e de viver,
          é recuperá-lo e dar-lhe autonomia.
          É reerguer o homem.
          É fazer tudo.
          Tudo o que pode libertá-lo.
          E o homem se manterá confiante
          senhor de si, de seu caminho,
          livre do lobo e da serpente,
          da subserviência e da opressão.
          Liberto,
          o homem será um cidadão!
          E você também.
          Você terá feito tudo por seu irmão
          E basta!
          Do mais ele será capaz.
          Deu-lhe sua mão.
          Abriu-lhe seu coração.
          Deu-lhe educação.
Arrancou-o da humilhação.
          Tirou-o da contramão.
          Ajudou a recuperar um cidadão!
          E viva a nossa união!
                    3
           É DANDO QUE SE RECEBE
                             “Em se plantando tudo dá”
                                                                P.V.Caminha
        Se não estás disposto a suar a camisa,
        não serás merecedor,
        de um teto,
        de um afeto,
        ou de um prato de comida.
        O mundo moderno, populista
        é escravagista!
        Oprime os fracos com fantasias…
        com promessas vãs.
        Obstrui suas mentes e domina-as
        com falácias
        e falsos eldorados.
        Todos querem comer
        mas também é preciso plantar, cuidar e colher.
        Todos querem ter uma casa,
        mas quem se dispõe a construí-la?
        Todos querem o caminho, mas quem abrirá a picada?
        Quem fará a trilha?
        Quem compactará a estrada?
        Sem esforço nada teremos.
        Se o grão não morre não nasce a planta.
        Sem parto não haverá nova vida.
        Sem esforço e dedicação
        fenece a cidade, a família e o cidadão.
        O que vem do céu é a chuva e o sol,
        e até balão e avião.
        Se não plantarmos e cuidarmos
        só teremos capim para os quadrúpedes,
        e pouco mais.
        Cuida de tua planta e do teu chão
        e colherás frutos e sombra.
Cuida de teu espírito e terás a benção.
        Cuida de teu bem e terás amor.
        Com amor e dedicação
        inspiração e  transpiração,
e um pouco de sagacidade,
        Terás tudo o que precisares.
        Não queiras o que não produziste
        para não seres usurpador ou ladrão.
        Não queiras surrupiar o trabalho dos outros,
Se não o pagaste.
        Não sejas escravo de ti mesmo
Escravo de tua ambição.
        Faz e terás
        pois é dando que se recebe.
        O suor e o amor darão a vida,
        o amor, e o afeto,
        a casa e a comida!
        Se não cuidares da terra,
        Se não suares a camisa,
        não terás direito ao pão,
        ao teto, ao afeto nem a consideração.
        Não serás merecedor do sol
        que te aquece
        nem da chuva que te refresca
        nem da sombra que te protege
        nem do amor que te acalenta e te completa.
        Esta é a lei da vida,
        a lei de Deus e dos homens.
        Tudo o mais é degradação;
        é enveredar pela contramão.

Leave a Reply